Impressão 3D na construção civil: tendência e alternativa – S4C Construções

Impressão 3D na construção civil: tendência e alternativa

Pesquisas do setor mostram que o mercado da impressão 3D tem potencial para movimentar 300 bi de dólares até 2025. No entanto, esta quantia deverá ser atingida, caso os setores que utilizam este tipo de impressão apostem, cada vez mais, na sua eficiência, como a medicina – que enfrenta dificuldades, como dilemas éticos e morais -, aviação, indústria, construção civil, entre outros.

Se conseguir conquistar seu espaço na construção civil, a impressão 3D promete trazer para os projetos mais precisão e redução de custos, desperdícios, danos ambientais e prazos, sendo possível a construção de residências em até um dia. Além disso, a impressão 3D garante uma maior personalização dos modelos.

As impressoras utilizadas na construção civil ainda passam por estudos e testes, mas alguns exemplares possuem 3 metros de altura, 12 de largura e 36 de extensão. Algumas empresas têm até testado a possibilidade de imprimir e montar moldes com instalações elétricas, hidráulicas e mecânicas já embutidas nas paredes.

Outras organizações têm conseguido “imprimir e montar” uma casa e toda sua decoração interna em menos de um mês.

 

Incentivo

 

No início de 2016, Dubai concretizou o Dubai 3D Printing Strategy, cuja finalidade é liderar a aplicação da tecnologia até 2030.

Os Emirados Árabes tomaram para si a responsabilidade de investir na técnica e incentivar sua utilização e, para atingir seu objetivo, organizaram seu plano da seguinte maneira:

 

  • incentivar e investir em pesquisas para atrair marcas mundiais;
  • criar um marco legal para normatizar o uso da impressão 3D em cada setor, com base em requisitos e especificações de materiais;
  • financiar o desenvolvimento da tecnologia e sua expansão;
  • investir nos pesquisadores;
  • incentivar o uso da impressão 3D em diversos setores para que haja uma autorregulação de preços e justa competição – tudo dentro de um padrão de qualidade;
  • realizar estudos de campo para qualificar os processos de execução da construção com impressão 3D;
  • especificar e normatizar os materiais usados nas impressões 3D;
  • treinar profissionais e empresas;
  • construir laboratórios que realizem testes de materiais impressos em 3D e que sejam acreditados internacionalmente;
  • lançar projetos-pilotos para encorajar a iniciativa privada a usar a tecnologia, por meio de incentivos;
  • avaliar o desempenho de cada etapa e aprimorá-las.

 

Oportunidades

 

Não apenas os Emirados Árabes estão interessados na tecnologia 3D, mas organizações no mundo todo, inclusive no Brasil. Aqui, uma empresa criada pela brasileira Anielle Guedes tem obtido atenção internacional ao utilizar moldes impressos em 3D, o que a difere de outras companhias. Tais moldes são preenchidos por concreto especial por meio de robôs.

Seu exemplo pode ser um grande incentivo para outras empresas, já que o Brasil é um país com muitas regiões socialmente vulneráveis ainda e que poderiam ter na construção de casas com a tecnologia da impressão 3D uma parte da solução. Mais do que isso: lugares vítimas de desastres naturais também podem ser beneficiados pela nova tecnologia.

Outros países, como Estados Unidos, Japão, Alemanha e Reino Unido também estão investindo fortemente em pesquisas de técnicas de impressões 3D em produtos de iluminação, fundação de edifícios e construção de residências móveis e vilas residenciais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagem: Google
Fonte:
http://blogs.pini.com.br/posts/tecnologia-sustentabilidade/impressao-3d-na-construcao-em-breve-uma-realidade-em-escala-376975-1.aspx

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *