Conheça as causas e as soluções para a inclinação de edifícios – S4C Construções

Conheça as causas e as soluções para a inclinação de edifícios

Conheça as causas e as soluções para a inclinação de edifícios; casos de Santos originaram uma Lei Complementar pioneira no Estado

 

Quando você pensa em construções inclinadas, a primeira imagem que vem à mente é a Torre de Pisa, certo? Saiba que esta situação não é exclusiva do monumento italiano: a Catedral Nossa Senhora de Guadalupe, no México, e os edifícios de Santos, no litoral sul de São Paulo, também passam pelo mesmo problema.

A inclinação geralmente é causada por um rebaixamento ocorrido pelo adensamento do solo. Este fenômeno chama-se recalque: quando há um aumento de carga na construção, que causa uma tensão maior do que a resistência do solo.

Há valores admissíveis para este acontecimento, mas quando eles ultrapassam o limite do seguro, é necessário realizar as readequações necessárias. Nos casos mais extremos, até demolições são consideradas.

 

Tipos de recalque – As inclinações podem ter diversas características:

 

– recalque diferencial: ocorre quando o valor de tensão é diferente para cada pilar da estrutura, o que gera o desaprumo (inclinação);

 

– quando há uma escavação próxima à construção e abaixo das cotas de apoio da fundação;

 

– quando a inclinação ocorre logo após a inclusão da sobrecarga: chamado de recalque elástico ou imediato;

 

– recalque por adensamento: causado por deformações volumétricas, com diminuição do índice de vazios do solo;

 

– secundário ou secular: ocorre quando as pressões se aproximam de zero e a argila continua a diminuir de volume;

 

– recalque absoluto: ocorre em apenas um elemento da fundação.

 

Recuperação – Quando o recalque é grande é porque provavelmente houve erro de cálculo ou a fundação foi feita de maneira inadequada, como por exemplo, em camada de argila mole e/ou saturada ou, ainda, quando a camada de argila encontra-se sob uma camada do solo mais resistente do que ela.

Existem diferentes técnicas para se recuperar um edifício inclinado. As soluções nem sempre são totalmente bem-sucedidas, mas um recurso bastante utilizado é o reforço na fundação com estacas profundas, o que ajuda a impedir a evolução dos recalques. No entanto, neste caso, a inclinação que já existe permanece.

Quando o objetivo do reparo é resolver o desaprumo, uma das opções é a aplicação de macacos hidráulicos sob a fundação existente. Os macacos são apoiados em estacas adicionais e, por meio da ação e reação, levantam o edifício até que o prumo atinja o nível desejado. Este recurso, no entanto, além de ser difícil de ser executado, impede que suas consequências sejam controladas. Para ser implementada, esta técnica precisa ser projetada e realizada por profissionais experientes; já a execução tem que ser “perfeita”, para não causar outros problemas.

 

Santos – Santos tem histórico de ocorrências com edificações, devido às construções que têm suas fundações apoiadas numa camada superficial, em argila mole, a apenas 1,5 a 3 metros de profundidade. Os prédios afetados ficam localizados na orla da cidade e foram construídos entre 1950 e 1960, mas a situação só agrava com o aumento de construções, que, por sua vez, aumentam a tensão nas camadas de argila.

A variação dos desaprumos dos edifícios de Santos é de 50 cm a 1,8 metros. No entanto, há um edifício, o Núncio Malzoni, que se destaca, com uma inclinação de 2,1 metros. Após algumas tentativas nos anos 1970, em 2000, o edifício passou pelo processo de uso do macaco hidráulico. Em cerca de três meses, o imóvel ficou aprumado completamente.

 

Lei complementar – Além das inclinações e da insegurança que a situação trazia, em Santos houve vários casos de desabamentos de estruturas, como marquises, ocasionados pelo desaprumo.

Por isso, a Lei Complementar 441, de 2001, considerada pioneira no Estado, foi implementada e reforçou a importância da autovistoria em edificações. Ela prevê que imóveis não unifamiliares e condomínios passem pela vistoria preventiva.

Apesar de a Prefeitura de Santos ter um departamento de fiscalização, é importante que os síndicos e proprietários cumpram a lei e tomem a iniciativa de contratarem uma empresa especializada para realizar a vistoria. É uma questão de segurança para moradores, visitantes, colaboradores e toda a sociedade.

As vistorias devem ocorrer de acordo com a idade do imóvel, estado de conservação e tipo de construção. Se nestas vistorias forem constatados problemas no aprumo e/ou na estrutura do edifício, as adequações necessárias devem ser feitas dentro do prazo.

As vistorias originam laudos dos quais constam a vistoria visual, medições com instrumentos de precisão e equipamentos especiais e documentação fotográfica. O laudo deve seguir as normas da ABNT e trazer a Anotação de Responsabilidade Técnica, a metodologia empregada, informações detalhadas sobre as anomalias, características do imóvel, prováveis causas, prazo para readequação e providências que devem ser tomadas. Em caso de necessidade de reparo, o parecer deve ser entregue à Prefeitura de Santos.

 

Para saber mais, acesse: http://bit.ly/2dBK1ns; http://bit.ly/2eaEolt

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: Google

 

Fontes:
http://www.aecweb.com.br/cont/m/rev/edificios-inclinados-tem-solucao_14083?utm_source=Sales_Force&utm_medium=email&utm_term=&utm_content=&utm_campaign
https://s4cconstrucoes.com.br/cumprimento-da-lei-441-ajuda-a-prevenir-acidentes-com-edificacoes/
https://www.s4cconstrucoes.com.br/vistoria-pisa-predios-inclinados-de-santos.php

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *